segunda-feira, abril 07, 2014

Noé Bem Assim - Noé Pra Tanto!

Eu acho que ''Noé Bem Assim''.

É CLARO e ÓBVIO que o filme não retrata a história do Noé que lemos no livro de Gênesis (isso é fato e qualquer um pode concluir, inclusive uma criança), mas ele retrata a história de um homem que por querer cumprir o propósito de Deus está disposto a fazer coisas que vão além de sua própria razão. O que não é nada anti Bíblico visto as histórias narradas nela.

Vou ressaltar o que achei de bom e de ruim:

1 - No filme a personagem principal se mostra disposta a sacrificar a filha de seu filho, e os próprios filhos ao negar-lhes companheiras, assim como a si mesmo e o restante de sua família visto que começa a achar que após a humanidade ser extinta, eles também morreriam, deixando assim apenas vida animal no planeta;

Bom, ficou chocado quando ele cogitou matar aqueles bebes? O nosso pai da fé Abraão chega a quase sacrificar seu filho (se essa fosse a vontade de Deus ele o faria), o próprio Deus oferece seu único Filho em sacrifício pela humanidade, dar a vida por amor é um ato de fé na Bíblia, então é aceitável que o Noé do filme possa ter cogitado fazer o mesmo.

2 – Há Guardiões de pedra no filme, figuras absurdas. O figurino lembrando o jeans e aqueles metais perdidos no cenário;

Também achei forçado e desnecessário, muito mais as calças jeans do que os Guardiões de pedra hauehuae...É certo que em Gn.7:4 diz que havia gigantes na terra, não diz nada sobre serem de pedras e nem que eram anjos compadecidos com o homem como o filme retrata, mas diz que existia gigantes. A única coisa que os Guardiões que estavam no filme podem representar pra mim é a questão de que:’’As coisas encobertas pertencem ao Senhor, ao nosso Deus...’’ Det.29:29a – Não estou defendendo aquelas figuras, mas chamando atenção pro fato de que nas histórias Bíblicas, inclusive na de Noé nós não sabemos, e talvez nem imaginamos o que estava nas ‘’entre linhas’’, como Noé construiu uma Arca sozinho? Eu já me fiz essa pergunta, não estou falando que os Transformers ajudaram ele mas reconheço que é um mistério pra mim, assim como muitas outras coisas.

3 – O retrato da humanidade sem Deus no filme;

Pra mim foi perfeito, a personagem de Tubal Cain é exatamente o reflexo do homem que se acha um deus, capaz de guiar sua história sem se importar com nada além de si, um ser cheio de si, ambicioso, sujo, maldoso que vive a rejeitar a Deus e diante do possível fim o questiona, desafia, zomba mesmo diante dos milagres observados pelos próprios olhos é descrente. 

4 – Tubal Cain na arca;

Confesso que quando vi achei tão absurdo quanto o resto do filme rs, mas depois fiquei pensando e percebi que há motivos interessantes do pq achamos absurdo; Primeiro, como Tubal Cain era a representação do extremo da maldade humana, não tinha o ‘’direito’’ de estar ali sendo salvo, olha o perigo desse tipo de pensamento. A mania de achar que podemos escolher e selecionar ''os bons'', quem ''merece'' ou não ser salvo, hoje dentro do que entendemos por Graça, ter esse tipo de pensamento nos torna um tanto hipócritas. Me senti muito má quando me percebi pensando isso. Segundo, é uma abordagem curiosa ver que mesmo a descendência que estava sendo salva, mesmo aquela descendência que havia se afastado do mal e se tornado os ''escolhidos'' para um recomeço, mesmo eles estando dentro da Arca rumo a ''nova vida'', ainda assim eles estavam contaminados pela semente da maldade, ainda assim eles estavam dispostos a fazer justiça com as próprias mãos, e desviarem-se dos propósitos do Criador para cumprir os próprios propósitos. Nada diferente de hoje.

É interessante ressaltar que o filme em todo tempo retrata o homem com a semente do pecado impregnada nele, mesmo os descendentes de Noé, e o próprio Noé dão sinais de que estão contaminados por essa semente adquirida no Éden, e que apenas através da misericórdia de seu Criador eles conseguem não ser consumidos e dominados por essa maldade. Tudo isso é Bíblico, tudo isso é a essência do Evangelho. Talvez se o autor tivesse usado um outro nome pra essa personagem e não tivesse dito que estava querendo contar a história do Noé Bíblico, o filme pudesse ter mais impacto positivo. Mas...

5 – O filme reforça o Criacionismo;

Reforça sim, embora muita gente ache que no Criacionismo não caiba uma micro evolução, cabe sim, e seria estupidez rejeitá-la. O que não cabe no Criacionismo é a macro evolução, aliás a macro evolução cabe apenas na teoria. A parte onde é narrado o início, o Éden e o desenvolvimento da maldade no homem foi bem contada.

Sabe, durante o filme tive vontade de me levantar e dizer ‘’blasfêmia’’ hauheuahuehuae ...cheguei a pensar que só faltava uma mascara de Haniball para aquela personagem com o nome de Noé, fiquei por um bom tempo digerindo o que tinha sido aquela porcaria de filme, aquele Noé da depressão, lunático, esquizofrênicos, psicopata, mas em conversa com minha amiga Monica e minha irmã Luciane que assim como eu são inconformadas com o óbvio fomos percebendo que na verdade estávamos bloqueadas de enxergar além do que estava na cara, por já conhecer a história do Noé bíblico estávamos ignorando a história do Noé do filme, que não fugiu de ser um homem comum, pecador mas fiel a seu Criador até o fim, que não escolheu fazer o que é prático e bom aos seus olhos mas escolheu fazer a vontade do Criador acima de tudo pq entendeu que ela era boa, perfeita e agradável ainda que difícil de compreender. O Noé do filme é um homem comum, que luta pelo que acredita estar certo, e nessa luta fica perdido, desorientado, confuso assim como qualquer outro, mas no final faz a escolha certa, e demonstra o motivo pelo qual seu Criador o escolheu.

6 – O arco-íris fez falta;

Há quem diga que viu um arco-íris no final, eu não vi e sinceramente nem me lembrei que tinha arco-íris  na narrativa de Noé, de tanto que o filme fugiu do Noé Bíblico que eu já não esperava mais nada. Mas achei bom que não deram atenção pro arco-íris, não acho que tenha feito falta, não naquela história, não para aquele Noé.

A história do Noé Bíblico não foi retratada no filme nem de perto e nem de longe rs, isso é fato, óbvio, e uma pena pois é uma historia interessantíssima, mas a história que foi retratada me fez perceber que meus conceitos estão contaminados, que me tornei alguém que rejeita sem avaliar, que se esqueceu de reter o que é bom.

Percebi o quanto temos falhado como igreja ao abordar histórias como a de Nóe como contos infantis, educamos nossas crianças mostrando a personagem Bíblica fofinho rodeado de animaizinhos quase um Dr. Dolittle, quando na verdade é uma história séria, que denuncia a maldade humana ao extremo, que demonstra a necessidade de um ''extermínio'' pra um novo recomeço. Não é bonitinho, e nem fácil de aceitar e entender.

Por fim, me decepcionei? Sim, mas não totalmente. Fiquei decepcionada como a maioria pelo fato do filme fugir completamente da narrativa Bíblica, mas achei interessante as reflexões que o filme me trouxe, por isso não vejo motivo pra todo esse esperneio e rejeição ao filme. ‘’Noé pra tanto’’. :)

•°o.O Postado por Cris Corrêa O.o°•

segunda-feira, março 31, 2014

A dificuldade da mulher inserida em uma sociedade construída em cima de ideais feministas - Parte 1

Um simples pensamento para o Espaço Olavette:

1 – Enxergar-se como sexo frágil;

Antes de desenvolver um pensamento sobre fragilidade é preciso definir o que é frágil.

Achei algumas definições interessantes como ‘’efêmero: que dura só um dia’’, assim como: ''Quebradiço - Que necessita de cuidados para se conservar''

Partindo dessas definições, não há por onde negar que: sim a mulher é sexo frágil. Vou desenhar. :)

Mulher, um ser efêmero.

De uma hora para outra, uma mulher pode ir da felicidade absoluta para o mau humor insuportável, e isso não é uma opinião crítica ao comportamento feminino universal é uma definição científica de que as flutuações hormonais que ocorrem no corpo da mulher influenciam no comportamento dela. Aliás, a influência dos hormônios no COMPORTAMENTO HUMANO está longe de se limitar à adolescência, ou ao sexo feminino em si, mas o assunto em questão é voltado ao universo feminino e por isso vamos focar nas ‘’zamiga’’ que veste rosa.

Somos um ser efêmero. A definição se encaixa perfeitamente na nossa variação de humor, no nosso comportamento muitas vezes exagerado, depressivo, dramático, ansioso que pouco ou nada tem ligação com nossa personalidade construída como indivíduo que somos. Os hormônios afetam o emocional feminino, mensalmente e por todo decorrer da vida por conta do processo de envelhecimento, é algo inevitável, faz parte de nós. E por mais racionais e equilibradas que sejamos os hormônios sempre, de algum modo nos tornam frágeis, afinal é bem difícil (não impossível) administrar de forma racional nosso temperamento quando nosso organismo esta passando por uma ‘’rebelião interna’’. Admitir isso é o primeiro passo pra se tornar um ser humano adulto, maduro e equilibrado.

Sei que muitas mulheres ‘’modernas’’ que tem total controle sobre seus corpos, e fazem deles o que bem entendem, (já que é um ‘’direito conquistado’’ pelo gênero) podem estar nesse momento sentindo-se aliviadas pelo fato de interromperem seus ciclos, acreditando que estão livres dessa fragilidade causada pelos hormônios, afinal existem diferentes medicamentos que prometem livrá-las de toda chateação típica ‘’daqueles dias’’. Porém, tenho uma ‘’má notícia’’, há correntes de estudos (bem estruturadas) que defendem que o cérebro feminino é inundado por hormônios ao longo de todos os meses e, ao interromper a menstruação, a harmonia desse ciclo fica comprometida, interferindo no temperamento. Ou seja, sangrando ou não, a mulher fica emocionalmente afetada de vez em quando. 

Tudo isso não significa que uma mulher adulta, deva se esconder atrás dessa fragilidade existente pra justificar uma personalidade pueril. Mulheres que agem como loucas, de forma completamente incoerente, que são extremamente dependentes emocionais, dotadas de uma carência excessiva que beira ao absurdo, precisam de tratamento psicológico, terapêutico ou de um pouquinho de vergonha na cara mesmo, pois são imaturas. Ao ficarem presas ao pensamento feminista de que não são frágeis estão bloqueando o próprio processo de amadurecimento pessoal, tornando-se vítimas de si mesmo, abrindo brechas enormes para homens tão infantis, desequilibrados, incoerentes, quanto elas. Além é claro, do fato de que se procriarem criarão filhos igualmente desequilibrados.

Sempre digo que aprendi ser uma mulher além da TPM, e conheço várias que também aprenderam, é nível hard confesso, mas não é algo impossível até mesmo porque quando um indivíduo faz uso da inteligência que possui o processo de amadurecimento é extremamente consciente e surgem inúmeras formas de administrar-se para chegar a um equilíbrio. Claro que ‘’ser uma mulher além da TPM’’ não tira de nós o título de sexo frágil, pelo contrário, continuamos sendo um ser efêmero, e nossa fragilidade estará sempre firme e forte nos acompanhando por toda vida.

O próximo tópico será: 
Mulher, um ser que necessita de cuidados para se conservar.


•°o.O Postado por Cris Corrêa O.o°•

sábado, agosto 04, 2012

Atentos! #sempre

quinta-feira, dezembro 01, 2011

Deus existe?

E aí povo: Deus existe? Calma, eu não quero que se empolguem em me responder. 

Mas é que tem tanta gnt que faz essa pergunta com tamanha arrogância, digna de boas gargalhadas. Não que eu me ache no direito de dizer o que se pode ou não questionar,  ou me sinta com o poder de dizer quem tem a liberdade, ou não, de questionar sobre. Mas é que a idéia de que essa é uma pergunta simples de se responder por conta da ciência, ou da ''lógica'', de teorias ou até mesmo da Bíblia, e o que quer que seja, é no mínimo engraçada. Grandes homens morreram com essa dúvida, outros tantos dedicaram suas vidas a provar que aquilo que acreditavam ser verdade em relação a questão, de fato o era. E a pergunta sobrevive...

Nunca foi provado que Deus existe. Esse fato por si só, na opinião de muitos já é o suficiente para qualquer tipo de divindade cair por terra. Mas também nunca foi provado que Ele não existe. Hum...

Eu até daria razão pra algumas pessoas, se acreditasse que o fato de não haverem provas, levasse-nos a concluir assim de forma simples a "não existência" daquilo que entendemos por divino, celestial, espiritual. Porém, nem tudo que existe é fruto do que se pode provar.

Temos o costume de crer apenas naquilo que vemos, ou ouvimos falar que alguém viu, queremos provas concretas para sustentar nossa credulidade em algo, ou alguém, em fatos ou teorias. Somos facilmente convencidos quando nos é apresentando algum argumento que nos parece verdadeiro. Mas isso não nos dá todas as respostas, nem nos leva a conhecer tudo que existe ou já existiu. E quem se coloca a negar este FATO não é digno de ser levado a sério.

Um exemplo tosco porém curioso e até bem simples sobre "conhecimento e existência", é o das estrelas. Bom,  quando se viaja para o Sul, na África, começam a ser observadas estrelas que não são vistas na Grécia. Sabemos que a constelação do Cruzeiro do Sul não pode ser vista por quem esta na Europa. Da mesma forma, nós, no Brasil, não podemos ver estrelas que estão próximas ao pólo Norte – como a constelação da Ursa. Isto é um fato, pois existem provas, mas nem todos têm conhecimento dessas provas, certo? Pois bem para àqueles que têm acesso a essa informação isso pode se tornar verdadeiro se estes se submeterem a crer na fonte que lhes apresentou tal fato. Quem teve o prazer de constatar por experiência própria, isso se torna uma "verdade verdadeira" com mais facilidade. E não nos esqueçamos dos leigos que podem ter avistado muitos “céus” sem ao menos perceber tal fato. 
Ter chego a esse conhecimento ou não, estas estrelas só poderão ser observadas partindo dos pontos específicos. A questão é: Um sul-africano jamais verá estrelas que brilham no céu da Grécia se não for até lá, ou então ele pode escolher acreditar em quem garante que isso é verdade. Ou ele pode morrer sem nunca nem ter ouvido falar que isso existe e, é possível. Mas as estrelas não irão deixar de brilhar. Bem simples.

Vejo as pessoas clamando pela lógica. Sim, a lógica depende do racional, pra quem não sabe, é uma disciplina que se insere em praticamente todos os campos do saber, mas ela só tem sentido enquanto meio de garantir que nosso pensamento proceda corretamente a fim de chegar a conhecimentos verdadeiros. Tudo vai depender da linha de raciocínio lógico baseado em premissas e conclusões pra se chegar a "sua" resposta em relação a algo, neste caso a Deus. Argumentos dedutivos e indutivos podem me dar premissas pra que eu chegue a uma conclusão, tanto uns como outros admitem formas corretas e incorretas. Pra usar a lógica, ou pra ser "mais sensato", em relação a existência de Deus, eu não dependo de experiências empíricas, já que entraremos em questões metafísicas. Logo as premissas para esse assunto, servem apenas pra sustentar uma crença, seja ela teista ou não.

Já comeram Tostines? Alguém pode me responder se "Tostines vende mais porque é fresquinho ou é fresquinho porque vende mais?" - São os grandes mistérios da humanidade que perturbam as mentes mais dedicadas a "provar". Oi?

Não conhecemos tudo, não podemos ver tudo, não sabemos sobre tudo. Mas nem por isso as coisas deixam de existir e exercer suas funções. Kant concluiu que “os seres humanos não podem saber da essência das "coisas-em-sí", mas saber apenas das coisas segundo nossos esquemas mentais nos permitem aprender a experiência.” - Isso não descarta a possibilidade de que exista uma essência.

É muito engraçado ver como as pessoas perdem tempo tentando provar que Deus não existe, ou que Ele existe. É questão de fé. Seja teista ou ateísta, para agarrar-se a uma resposta depende de fé.
Mesmo que muitos entendam a fé como um ato de ignorância, ela esta presente em pessoas que acreditam em Deus, e também nas que não acreditam. Lembrando que a definição de fé é: uma adesão absoluta do espírito àquilo que se considera verdadeiro. Precisamos de fé pra acreditar em tudo que nos é apresentado, seja ligado a realidade palpável ou não. Sem contar com os nossos projetos, se não acreditarmos que podemos realiza-los, talvez nunca venhamos a realiza-los mesmo. A fé é também motivação.

Voltando ao assunto principal, esse é o tipo de questionamento que não tem fim, dependendo da ocasião acho válido que seja discutido e que tenhamos reflexões referentes a nossa existência e a existência de Deus. Mas dificilmente pode se chegar a uma resposta. No fim, tudo vai depender do ''crer''. Alguns escolhem crer que Deus existe, outros em crer na não existência Dele. Todos acabam crentes.

Só o fato de se importar com a existência ou não de um deus, já nos torna interessados em algo espiritual.

Já me fiz muitas perguntas, já me fizeram outras tantas. Mas eu sempre me baseio em duas perguntas que considero importantes:

QUEM É DEUS E QUAL É SEU CARATER e QUEM É O HOMEM?

Creio que jamais entenderemos ou conheceremos Deus em sua totalidade e/ou essência, por isso nos espelhamos no caráter de Cristo, o que nos é suficiente. Eis um dos motivos de Deus Se fazer homem, pra nos proporcionar uma proximidade. Buscando respostas pra essas perguntas, cheguei a muitas convicções em relação a Deus e quem eu sou diante da figura Dele. E resumidamente eu diria que: a Sua graça me basta.

Acredito que todo ser humano deva ir atrás de suas verdades. Eu achei a minha em Cristo. Mas sou do tipo que pensa que cada um segue a "sua verdade" como bem entender, ou deixar de entender.

E se não entendeu o trocadilho com a propaganda da Tostines, provavelmente você é muito novo. Mas acredite, Tostines existe, só não sei se
vende mais porque é fresquinho ou é fresquinho porque vende mais. Sem contar com o fato de que também não sei se ainda vende mais. XD

sábado, novembro 26, 2011

O que alguém tem a v com isso?


Uma vez conversando sobre vida cristã, ser ou não cristão, relacionamentos e posicionamento diante de diferentes questões da vida humana. Alguém me disse o seguinte: "cada um transa com quem quiser, o que alguem tem a ver com isso?". Boa pergunta.

O que alguém tem a v com isso?

Muitos acabam julgando a Bíblia, ou os conceitos cristãos de forma errada. Pq na verdade a Bíblia não é um livro de proibições como a maioria pensa ou cre, ela é um livro com conceitos de uma fé, conhecida como cristianismo. Nela aprendemos não a viver debaixo de proibições, presos em uma série de ''não pode'', mas sim aprendemos a desenvolver em nós o ''eu não quero", é isso que ela nos ensina. Infelizmente a maioria não enxerga isso.

Eu penso que cada um transa com quem bem entende, ou deixa de entender, sim. Afinal cada um é responsavel pelas suas escolhas. SOMOS TODOS RESPONSAVEIS POR NOSSAS ESCOLHAS! Mas, quem revela um comportamento moralmente desregrado, centrado nos prazeres sexuais pode denominar-se cristão? Não, mas sim um libertino.

O cristão nega sua vida(condição de pecador) pra viver a vida de Cristo(nova vida), ele desenvolve em si o sentimento de ''não quero'' ser guiado pela carne mas sim guiado pelo Espírito, logo viver uma vida libertina não se encaixa nos conceitos de uma vida em Cristo, pois Este viveu uma vida guiada pelo Espírito Santo de Deus, nosso Pai. Ninguem é obrigado a ser cristão, ninguém é obrigado a escolher seguir a Cristo, é questão de escolha, e se vc escolhe ser um seguidor de Cristo então, assuma essa vida de forma a respeitar os conceitos nela existentes.

É tão simples. A Bíblia é clara sobre quais as caracteristicas de um cristão, e esta claramente exposto que algumas questões carnais não se encaixam nessa vida. Segue quem quer, quem não quer não segue oras. Não tem o pq ficar fazendo tempestade em copo dágua.

Dentro da fé cristã a Bíblia é aceita como regra de fé e conduta. Então temos ela como nosso ''manual'', é claro que sem interpreta-la de forma literal ou carnal. Mas esse é um outro assunto.

Nesse manual - Bíblia, entendemos que Deus fez homem e mulher pra serem um só corpo, e o sexo entre ambos, é também união espiritual, por isso a importancia de estabelecer um relacionamento baseado no amor. Logo, dentro da fé cristã, não há uma união espiritual aceitável perante Deus quando se banalisa o sexo. Transar com quem bem entende, sem estabelecer compromisso e assumir responsabilidades não é uma atitude cristã.
(que fique claro que esse conceito é cristão, e nada impede outras pessoas e/ou religiões de criar seus próprios conceitos e segui-los)

Cristãos veem o sexo como uma benção, não como um ato irracional guiado por instintos. Um relacionamento baseado no amor gera uma união não apenas carnal, mas também espiritual e consequentemente uma vida centrada no respeito por si, pelo proximo e por Cristo.

Dentro da nossa concepção de fé não encontramos base pra aceitar comportamentos ''libertinos'' como atitude cristã, portanto levar uma vida libertina não fará de nós homens, cristãos professos. Isso pq como já expliquei dentro dos conceitos cristãos essa prática de vida não condiz com os ensinos de Cristo, ou seja, não condiz com as caracteristicas de uma ''nova vida em Cristo''. 

São coisas óbvias, quer ser cristão? Então siga os conceitos cristãos, não quer? Então siga seus próprios conceitos.

Ninguém pode obrigar alguem a fazer o mesmo, afinal somos livres. Então, quando eu, ou você falar não precisa doer.

Por Cris Corrêa 
Related Posts with Thumbnails